JESUÍTAS: 500 ANOS DE TRADIÇÃO E EXCELÊNCIA ASSINE NOSSA NEWSLETTER CONTATO

Colunas Rômulo Ávila

10/05/2012  |  domtotal.com

Jogador, ator e orador

Não discuto a qualidade técnica do veterano Roger. Com a bola nos pés, é (e sempre foi) diferenciado. Agora, já caminhando para o fim da carreira, o meia mostra também vocação para ser ator.  Não terá problemas para emplacar outra profissão. Destaca-se também pela oratória.  Diante dos microfones e das câmeras é o melhor jogador do Brasil. E é justamente por essas duas novas qualidades que o jogador está se destacando nos últimos anos.

Sempre fala o que a torcida celeste gosta de ouvir, é polêmico nos clássicos e tem um papo de fazer inveja em qualquer ‘boleirão’. Mas jogar bola que é bom mesmo, ele não joga há muito tempo. É um coadjuvante que teima em ser o ator principal. Nem que para isso tenha que ser violento ou falastrão. Quem não se lembra da briga com Gilberto?

Torcida enganada

O pior é que muitos torcedores não enxergam essa situação.  Pelo menos até ontem, quando o jogador se destacou, mais uma vez, como ator (ou dublê), ao simular uma falta dentro da área adversária. Foi corretamente expulso e, acreditem, foi a melhor ‘contribuição’ do meia ao time azul. Com ele em campo, o Cruzeiro já tinha um a menos. A equipe até melhorou depois de sua expulsão. Pareceu, inclusive, ter ficado mais unida em campo.  E  não foi a primeira vez que Roger aprontou. Na fatídica eliminação da Libertadores de 2011 para Once Caldas, ele também deixou o time na mão. Amarelou duas vezes e saiu vermelho (não de vergonha) de campo.

Medíocre

O time é fraco. Sem o craque Montillo se torna uma equipe medíocre, nível de Série B. Por isso, o técnico Vágner Mancini é o menos culpado, apesar de achar sua saída necessária.  Nunca teve material humano para trabalhar. Foi pressionado desde quando assumiu a missão de evitar o rebaixamento. Contou com a ajuda do Atlético para alcançar o objetivo, mas teve seus méritos também. Isso ninguém pode negar.

Nem ele, nem Levir Culpi, nem Ney Franco, nem Guardiola  fazem milagre. Mancini entregou o cargo porque sabia que tinha uma ‘barca’ nas mãos. Entrar no Brasileirão comandando um time desse nível seria um tiro no pé.

Quatro derrotas, oito gols sofridos e duas eliminações

Apesar de o futebol brasileiro ser bastante nivelado e considerando o clássico contra o América-MG, o Cruzeiro perdeu quatro partidas seguidas para clubes que vão disputar a Série B do futebol nacional.  A defesa conseguiu a pífia marca de sofrer oito gols nesses jogos. Sem o uruguaio Victorio, o recém- chegado Alex Silva assumiu o posto de entregador. Foi dele o erro que resultou no primeiro gol.  Na etapa final, não conseguiu parar o atacante Guerrón (melhor em campo) na jogada do segundo tento. Alex Silva ainda é a esperança para arrumar a defesa celeste, mas começa a deixar o torcedor em dúvida.

Era para ser pior

Se não fosse os erros da arbitragem, o vexame do Cruzeiro seria maior. O árbitro Elmo Alves Resende Cunha foi na onda do Wellington Paulista e marcou um pênalti inexistente. Além disso, deixou de expulsar o meia Souza, que atingiu um adversário violentamente com um chute desleal.

Galo x Coelho

Parece que os ‘deuses do futebol’ querem que o América-MG seja o Campeão Mineiro 2012. O gol irregular, aos 48 minutos da etapa final, na primeira partida da decisão, recolocou o Coelho na disputa. Apesar de achar o time do Atlético melhor, o América-MG está com mais pinta de campeão. A decisão deste domingo promete ser emocionante. Os dois clubes merecem o caneco.

Forlán

A possível contratação do atacante Forlán pelo Atlético provoca divergências entre torcedores e jornalistas esportivos. Eu, por exemplo, sou contra. Já o colunista Juliano Paiva acha uma boa. Sou contra porque o Forlán de 2012 não é mesmo que foi o melhor jogador da Copa de 2010.  Em razão de contusões, pouco jogou pela Inter de Milão. É um jogador caro. Uma contratação de risco, que pode causar “ciúmes” no grupo.  No seu artigo de segunda-feira, Juliano Paiva vai falar por que é a favor da chegada do uruguaio.


Rômulo Ávila É jornalista formado pela Newton Paiva. Foi repórter esportivo durante dois anos do extinto Diário da Tarde (tradicional periódico de BH fechado pelos Associados Minas em julho de 2007). Atualmente é repórter do Portal DomTotal. Antes de cursar comunicação, foi jogador de futebol profissional. Começou no Villa Nova-MG e passou pelo futebol paulista e nordestino.






X Fechar







código captcha






Outros artigos

Vídeos

Cameron implora pela permanência da Escócia
Acervo de Entrevistas

Agenda Cultural

Cinema  |  Teatro  |  Shows
Filmes O Doador de Memórias (D)
"The Giver"
Ficção científica
1h30min.

Enquete

Qual deve ser a maior preocupação do candidato à presidente da República que vencer as Eleições?

Diminuir a desigualdade social
Economia
Energia
Mobilidade urbana
Reforma política
Saúde e educação

Participe e concorra a prêmios.

TV DomTotal

Prof. Danilo Mondoni: Luzes do Cristianismo
Mais

Revista

Vol. 10 / Nº 19

CAPES: Qualis B1
Entre as melhores do Brasil