JESUÍTAS: 500 ANOS DE TRADIÇÃO E EXCELÊNCIA ASSINE NOSSA NEWSLETTER CONTATO

Colunas Luís Cláudio da Silva Chaves

15/06/2009  |  domtotal.com

PEC 33/2007: o divórcio sem prévia separação

Antigamente, o matrimônio era indissolúvel e havia a figura do desquite que rompia, mas não dissolvia o casamento, ou seja, os desquitados não podiam casar novamente.
Na década de 70, a Lei do Divórcio foi aprovada, com restrições; o desquite foi transformado em separação com mesmo efeito, isto é, não pondo fim ao casamento. Instituiu-se à época o divórcio, que ao lado da morte de um dos cônjuges, é que efetivamente dissolvem o casamento válido.

Adotou, a lei, a dicotomia entre o divórcio direto e o divórcio por conversão, sendo que, no primeiro, indispensável a separação de fato há mais de dois anos, e no segundo, uma prévia separação judicial há mais de um ano. A separação prévia, pois, era e ainda é necessária ao divórcio.

Atualmente, quando o casal não deseja mais permanecer casado, ele pode recorrer ao Judiciário, para se separar judicialmente. Ou, então, pode se separar extrajudicialmente, por escritura pública feita pelo cartório de registro e notas, quando não tiver filhos menores ou incapazes.

Quando o casal vai se separar no Judiciário, ele pode adotar o procedimento da separação consensual amigável, em que há o requisito de que estejam pelo menos um ano casados. Requisito esse inexistente, quando a via adotada por um dos cônjuges for a separação litigiosa. Nesse caso, aquele que acionar o Judiciário com essa ação deverá comprovar que não é mais possível a permanência da vida em comum, por exemplo, pelo descumprimento dos deveres conjugais por parte do outro. Há a necessidade de se provar um motivo para a separação, que torne insuportável a vida em comum. Apenas o interesse de não mais viver com aquela pessoa não é o suficiente.

Há a possibilidade também, de, se separados de fato há pelo menos dois anos, o casal, ou apenas um deles, ajuizar o pedido na justiça de divórcio direto, comprovando o transcurso desse prazo.

Por fim, após um ano da sentença que decretou a separação do casal, eles devem acionar o Judiciário mais uma vez, para converter a separação em divórcio. O único requisito nesse caso é o lapso temporal de um ano após a decretação da separação do casal.
A diferença entre separação e divórcio é que a primeira não põe fim ao casamento, põe fim apenas à sociedade conjugal,aos deveres de co-habitação e fidelidade e ao regime de bens. Os separados ainda não podem se casar novamente com outra pessoa. Já o divórcio, põe fim ao vínculo conjugal e dissolve o casamento válido. Só depois dele é que as pessoas poderão se casar outra vez.

A aprovação da PEC 33/2007, pela Câmara dos Deputados, dando nova redação ao § 6º do art. 226 da CF acaba com a separação e termina com os prazos para a concessão do divórcio. Assim, a pessoa que não desejar mais permanecer casada, poderá requerer o divórcio, pura e simplesmente, sem necessidade de separação prévia. A PEC ainda precisa ser aprovada no Senado Federal.

Na prática, se for aprovado pelo Senado Federal, com o texto atual da proposta, provavelmente não existirá mais a figura da separação judicial e a necessidade de separação de fato para decretação de divórcio. A novidade trará como vantagem àqueles que não pretendem permanecer casados, a opção do divórcio, sem a ocorrência de separação anterior. O casal não precisará aguardar os dois anos de separação de fato ou um ano da separação judicial, podendo se divorciar, a partir do momento em que desejar.

Uma das vantagens apontadas pelo Relator da PEC 33/2007, conhecida como a PEC do Divórcio, é que o Judiciário, será, em tese, menos acionado para este tipo de demanda. Atualmente, o casal se separa judicialmente e após o trânsito em julgado da sentença, os autos permanecem na secretaria aguardando um ano, antes de irem para o arquivo central, esperando que as partes retornem ao Judiciário com o pedido de divórcio. É possível requerer o desarquivamento dos autos e distribuir por dependência a ação de conversão da separação em divórcio.

Para grande maioria da população, essa alteração é um avanço, pois busca a celeridade processual e está em consonância com os princípios da liberdade e a autonomia da vontade. Como o Estado não estabelece prazo para se casar, não se justifica a cominação de prazos para a dissolução do casamento.

Além disso, se aprovado o atual texto da PEC do Divórcio, a dissolução do casamento poderá ser resolvida mais rapidamente, trazendo menor sofrimento aos cônjuges e filhos, uma vez que não se fará mais necessário, em regra, o ajuizamento de duas ações para se dissolver o casamento. Ainda, como para a concessão do divórcio não precisa da identificação de culpados, não será mais necessária a produção de provas documentais e testemunhais, com essa finalidade. As ações abordarão eventual obrigação alimentar entre os cônjuges e entre esses e os filhos, a guarda, as regulamentações de visitas, e a utilização do nome de casado. Os aspectos patrimoniais também podem ser resolvidos, mas não precisam ser definidos nesse momento, já que é possível a concessão do divórcio sem partilha de bens.

Um dos pontos negativos dessa alteração é que, na separação, caso os cônjuges queiram se reconciliar basta a comunicação em juízo com o pedido de restabelecimento da sociedade conjugal. Agora, uma vez divorciadas, se reconciliarem, é necessário novo casamento. Assim, havendo a necessidade de novo casamento, o casal terá que arcar com os respectivos custos do novo matrimônio. Outra questão importante é que devemos deixar claro à população que apenas a extinção da exigência de separação prévia em nada contribuirá para a solução rápida da lide se presentes no divórcio litigiosidades inconcebíveis, que longe de resolverem as controvérsias entre os cônjuges, fomentam inúmeros apensos judiciais. No mais, aumenta-se a responsabilidade dos advogados, especialmente, na orientação de seu cliente, eis que o divórcio sem prévia separação, de fato ou de direito, é medida extremada que deve ser bem pensada, buscando-se sempre a reconciliação e a conciliação antes de qualquer ação litigiosa.

Por fim, a questão mais importante dessa mudança é o fato de que o Estado deixa de interferir, de maneira injustificada, na vida das pessoas, fixando prazos ilógicos. Com isso, passa a ser respeitado o direito de todos de buscar a felicidade que não se encontra necessariamente na permanência de um casamento infeliz, mantido pelo decurso de um prazo.


Luís Cláudio da Silva Chaves é Presidente da OAB/MG, advogado, Mestre em Direito, Professor de Direito da Escola Superior Dom Helder Câmara, autor de livros jurídicos, Vice-Presidente da Comissão Nacional do Exame da Ordem e Coordenador da Comissão de Elaboração do Exame da Ordem Unificado.






X Fechar







código captcha






Outros artigos

Vídeos

Candidato de oposição reivindica vitória na Tunísia
Acervo de Entrevistas

Agenda Cultural

Cinema  |  Teatro  |  Shows
Filmes O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos
"The Hobbit: The Battle of the Five Armies"
Ação
2h24min.

Enquete

Onde você fará as compras de Natal?

Nas lojas físicas
Na internet
Tanto nas lojas físicas como na internet
Ainda não decidi

Participe e concorra a prêmios.

TV DomTotal

Prof. Paulo Jackson Sousa: Evangelho de Marcos
Mais

Revista

Vol. 10 / Nº 19

CAPES: Qualis B1
Entre as melhores do Brasil