JESUÍTAS: 500 ANOS DE TRADIÇÃO E EXCELÊNCIA ASSINE NOSSA NEWSLETTER CONTATO
Data:
Concepção de religião, segundo Max Weber
Autor: Prof. Francisco Haas
Disciplina: Sociologia Geral - 2º Período

Discutir-se-á os pressupostos metodológicos e epistemológicos da sociologia da religião de Weber enfocando as abordagens relativas à questão da ordem social e suas mudanças.

Weber se interessa pelo aspecto cognitivo das religiões. Weber associa a objetividade do conhecimento a uma ordenação da realidade segundo categorias subjetivas, as quais representam, segundo ele, o pressuposto do nosso conhecimento. Sociologia entendida como ciência compreensiva, que por interpretação, mas sem artifício de estilo, procura analisar o sentido visado por um ou mais de um sujeito em função do comportamento de outrem e, conseqüentemente, pretende esclarecer o sentido de toda a atividade social. Neste sentido, Weber toma as religiões como respostas racionais a indagações referentes aos problemas do sofrimento e do destino, quaisquer que sejam os termos em que esses se colocam. Assim, estando a racionalização do mundo inscrita no mais profundo da civilização, o sociólogo deve explicar as origens e os caracteres de um mundo que se modernizou ao se laicizar e se desembaraçou de seus mistérios, entregando-se às miragens da razão. Portanto, sua sociologia da religião está referida a uma teoria da mudança social que se traduz no estudo de processos de racionalização na história.

Para Weber, a racionalidade prática é inerentemente problemática e insuficiente. Em seu contato com o mundo, ela confronta incertezas – experiências de sofrimento e infortúnios – cuja solução requer ações e cognições que necessariamente transcendam a faticidade da vida cotidiana. Tais soluções tendem, contudo, ser parciais e insatisfatórias, deixando sem sentido alguns aspectos da existência, ou seja, suas teodicéias tornam-se irracionais. O desenvolvimento das religiões como criadores de imagens racionais de mundo, deriva-se da própria lógica da teodicéia, requerendo solução interna para suas inconsistências, criando, assim, uma compulsão natural para aquisição de versões mais racionais de suas idéias.

Max Weber acredita que a sociologia da religião deve ser buscada nas implicações de sua definição como instância de racionalização teórica – o domínio crescente da realidade através de conceitos cada vez mais precisos e abstratos que ultrapassam os desvios da rotina diária e dotam os eventos da vida cotidiana de significado coerente –; substantiva – elaboração de um postulado de valor, isto é, de agrupamentos inteiros de princípios que variam em compreensibilidade, consistência interna e conteúdo –; e formal – voltada para solução de problemas de rotina através de regras abstratas e universalmente aplicadas. Onde a racionalização (teórica) de valores implica a destruição dos valores descontínuos de práticas rituais isoladas, de cerimônias desconexas e de um “pantheon” de deuses demandando sacrifícios e lealdade, e a montagem destes valores dentro de visões de mundo cada vez mais compreensivas e unificadas; a racionalização substantiva se torna mais apta a operar com um padrão ético. Neste sentido, a religião implica constelações de valores que constituem visões de mundo racionalmente consistentes através das quais os indivíduos podem orientar sua ação em todas as esferas da vida.

Para Weber,  a religião, longe de estar referida à continuidade da racionalidade prática (Marx), enquanto racionalidade teórica e substantiva introduz de forma consistente um conteúdo ético que, tem o potencial para romper, efetivamente, os modos de vida e atitudes tradicionais.

Nesta perspectiva, ação não pode ser, para Weber, entendida simplesmente como um ajustamento de realidades dadas, sejam rotinas diárias ou estatutos burocráticos, como manifesto nas racionalidades prática e forma, nem um status residual pode ser atribuído às pautas da ação humana que fogem da rotina e do comportamento adaptativo.

Weber faz uma objeção clara ao materialismo de Marx que reside na premissa de que a racionalidade prática é inerentemente insuficiente e, portanto, incapaz, por si mesma, de introduzir regularidades na ação, a não ser que seja consistentemente penetrada por um conteúdo ético (o que supõe sua transcendência).

Para Marx, religião é a teoria geral deste mundo, a sua soma enciclopédia, a sua lógica sob forma popular o “son point d’honnem” espiritualista, seu entusiasmo, a sua sanção moral, o seu complemento solene, a sua consolação e justificação universal. É a realização fantástica do ser humano porque o ser humano não possui verdadeira realidade.

Weber definiu a religião como um sistema estruturado de símbolos pelos quais grupos humanos formulam a última razão de ser da vida e do mundo em que vivem e em redor de que se organizam certa unidade com progressiva especialização de papéis.

Apesar de Max Weber ter libertado a sociologia religiosa do materialismo histórico de Marx e do sociologismo de Comte e Durkheim, sua sociologia ficou misturada com história das religiões, economia, filosofia cultural e direito.

Poderíamos concluir que a elaboração da teodicéia de Weber requer um conjunto dado de categorias e conceitos o que nos remete à sociologia do conhecimento de Durkheim e a racionalidade prática de Marx.

Vídeos

Graça Foster: Petrobras perde com operação Lava-Jato
Acervo de Entrevistas

Agenda Cultural

Cinema  |  Teatro  |  Shows
Filmes As Aventuras de Paddington (D)
"Paddington"
Comédia
1h35min.

Enquete

Onde você fará as compras de Natal?

Nas lojas físicas
Na internet
Tanto nas lojas físicas como na internet
Ainda não decidi

Participe e concorra a prêmios.

TV DomTotal

Prof. Paulo Jackson Sousa: Evangelho de Marcos
Mais

Revista

Vol. 10 / Nº 19

CAPES: Qualis B1
Entre as melhores do Brasil