JESUÍTAS: 500 ANOS DE TRADIÇÃO E EXCELÊNCIA ASSINE NOSSA NEWSLETTER CONTATO
Cível - Ação Ordinária Revisional de Contrato com Pedido de Tutela Antecipada - Plano de Saúde Reajuste Idoso

EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA CÍVEL DA COMARCA DE BELO HORIZONTE/MG.

 

 

 

 

PRIORIDADE: ESTATUTO DO IDOSO

 

 

 

 

Nome completo, nacionalidade, estado civil, profissão, titular da identidade CI nº x.xxx.xxx e do CPF nº xxx.xxx.xxx-xx, residente na Rua xxxxxxxxxx, nº xxx, Bairro xxxxxx, cidade/UF, Cep xxxxx-xxx, por sua advogada infra-assinada, conforme procuração inclusa, com escritório à Rua xxxxx, xxxxx/xxx, Bairro xxxxxx, cidade/UF, CEP xxxxx-xxx, onde receberá as intimações, vem perante Vossa Excelência propor a presente AÇÃO   ORDINÁRIA  REVISIONAL  DE  CONTRATO COM  PEDIDO  DE  TUTELA  ANTECIPADA em face de xxxxxx, com sede na Avenida xxxxxxxxxx, nº xxx, Bairro xxxxxx, cidade/UF, Cep xxxxx-xxx, pelos fatos e fundamentos expostos a seguir.

 

DOS FATOS

1 – A Requerente mantém desde 1996 contrato de plano de saúde com a Requerida (plano coletivo de adesão), sistemática e periodicamente renovado até a presente data (doc. 2).

2 – Em Maio/2008, a Requerente foi surpreendida com um reajuste na prestação equivalente a 84,88% de acréscimo (docs. 3 e 4).

3 – Questionando a Requerida sobre o abuso, foi informada tratar-se pretensamente de reajuste legal, com previsão contratual, por ter a Requerente completado 60 anos de idade.

 

 

DO DIREITO

4 – A Requerente completou 60 anos em 03/04/2008, sob a égige do Estatuto do Idoso (Lei 10741/2003) que, em seu art. 15, § 3º, proíbe a “discriminação do idoso nos planos de saúde pela cobrança de valores diferenciados em razão da idade”.

5 – A lei 9.656, que entrou em vigor em 1998, informa em seu art. 15 que o reajuste por faixa etária apenas é possível se previsto no contrato inicial; o contrato inicial, ao qual aderiu a Requerente em 1996, informa em sua claúsula XII (doc. 1) que o reajuste da mensalidade obedecerá ao IGPM.

6 – Além disso, é farta a jurisprudência que reconhece a nulidade de cláusula que admite o reajuste pela faixa etária, quando assim firmado nas renovações de contrato cujo primeiro termo se deu antes da vigência da Lei 9.656/1998.

Número do processo:

1.0024.04.502859-4/001(1)

Precisão: 67

 

Relator:

NILO LACERDA

Data do Julgamento:

16/12/2005

Data da Publicação:

18/02/2006

Ementa:

REVISÃO CONTRATUAL - PLANO DE SAÚDE - LEI 9656/98 - INAPLICABILIDADE - IRRETROATIVIDADE DAS LEIS - DOBRO DA MENSALIDADE PELO ATINGIMENTO DA IDADE DE 60 ANOS - CLÁUSULA NULA - IGP-M - ÍNDICE CORRETO. Os contratos celebrados anteriormente à vigência da Lei nº 9.656/96 (05.06.98) não podem ser atingidos por suas disposições, uma vez que constituem atos jurídicos perfeitos e acabados, celebrados segundo as regras então vigentes e que correspondem, em tese, à vontade das partes. Consolidou-se o entendimento de que não é necessária prévia aprovação da ANS a respeito do percentual ou índice de reajuste dos contratos dos planos de saúde. O IGPM, índice aplicável ao contrato, é considerado lícito. Ele é calculado pela respeitável Fundação Getúlio Vargas, não havendo nenhuma arbitrariedade em sua aplicação. Aplicação do IGP-M como fator de correção, por ser previsto contratualmente e por tratar-se de índice que reflete adequadamente a perda do poder aquisitivo da moeda.

Súmula:

Deram parcial provimento.

                   

Número do processo:

1.0145.07.411139-7/001(1)

Precisão: 55

 

Relator:

ALVIMAR DE ÁVILA

Data do Julgamento:

05/03/2008

Data da Publicação:

15/03/2008

Ementa:

AÇÃO DE REVISÃO DE CLÁUSULA CONTRATUAL - PLANO DE SAÚDE - CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - APLICABILIDADE - REAJUSTE DA MENSALIDADE - FAIXA ETÁRIA - 60 ANOS - VALOR DOBRADO DAS PRESTAÇÕES - ABUSIVIDADE - CONTRATO ANTERIOR À LEI 9.656/98 - IRRETROATIVIDADE. É indiscutível a incidência das disposições do Código de Defesa do Consumidor nas relações contratuais mantidas junto a operadoras de planos de saúde. Os contratos celebrados antes da vigência da Lei n. 9.656/98 não são atingidos por suas disposições, diante da impossibilidade de retroação da referida legislação para atingir negócios celebrados segundo as regras então vigentes e que correspondiam, em tese, à vontade das partes. É abusiva cláusula contratual que prevê o reajuste da mensalidade de contratante para o dobro do valor previsto, unicamente por ter atingido a faixa etária de 60 (sessenta) anos de idade.

Súmula:

NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO

 

7 – Ressalte-se que se trata de contrato de adesão que limita a manifestação de vontade das partes.

 

DOS FUNDAMENTOS DA TUTELA ANTECIPADA

 

8 – A verossimilhança resta demonstrado nos documentos juntados, na previsão legal e na jurisprudência que indicam a ilegalidade e abusividade da cobrança com reajustes em função da faixa etária.

9 – O risco de dano irreparável ou de difícil reparação está configurado na dificuldade financeira da Requerida em manter em dia os pagamentos, colocando em risco a sua própria sobrevivência.

10 – Nestes termos, absolutamente cabível e necessária a concessão da antecipação dos efeitos da sentença com fim de admitir o pagamento das mensalidades com reajuste pelo IGPM.

 

DOS PEDIDOS

 

Por todo o exposto, pede a Requerente:

 

a) a concessão da tutela antecipada, inaudita altera pars, para o fim de admitir o pagamento das mensalidades com reajuste pelo IGPM;

b) a citação da Requerida, para apresentação de defesa;

c) o benefício da prioridade na tramitação do feito, nos termos do Estatuto do Idoso, por contar 60 anos de idade;

d) o pálio da justiça gratuita por se encontrar a Requerente em situação financeira precária, sem condições de arcar com as custas judiciais sem prejuízo de seu sustento e de sua família;

e) que seja julgada procedente a presente ação, com a conseqüente condenação das Requeridas, anulando-se a claúsula abusiva que prevê reajuste das mensalidades por faixa etária, mantendo-se o índice fixado no contrato inicial;

f) que sejam imediatamente ressarcidos os valores pagos a maior nas mensalidades a partir de Maio/2008, devidamente corrigidos.

g) a condenação da Requerida em custas e honorários advocatícios na proporção de 20% do valor da causa.

 

 

DAS PROVAS

13 - Pretende o Requerente provar o alegado por todos os meios em direito admitidos, especialmente pelos documentos já acostados.

 

DO VALOR DA CAUSA

14 – Dá-se à causa o valor de R$ 6.012,00 (seis mil e doze reais).

 

 

Nestes Termos

Pede Deferimento.

 

 

Belo Horizonte, xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

 

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
OABMG nº xxxxxxx

 

 

 

Autoria: Adriana Ferreira Fernandes

Vídeos

Papa: ‘Cúria sofre de Alzheimer espiritual’
Acervo de Entrevistas

Agenda Cultural

Cinema  |  Teatro  |  Shows
Filmes As Aventuras do Avião Vermelho
"As Aventuras do Avião Vermelho"
Animação
1h30min.

Enquete

Onde você fará as compras de Natal?

Nas lojas físicas
Na internet
Tanto nas lojas físicas como na internet
Ainda não decidi

Participe e concorra a prêmios.

TV DomTotal

Prof. Paulo Jackson Sousa: Evangelho de Marcos
Mais

Revista

Vol. 10 / Nº 19

CAPES: Qualis B1
Entre as melhores do Brasil